Trend Coffee - Moda Masculina

Para ouvir antes do dia acabar!

por Gregory Martins

Andy Faisca feat Tayla Malcolm

A.N.D.Y., stagename do belga Andy Faisca, não para! Depois de lançar singles em parceria com nomes como Nyemiah Supreme e Dominique Young Unique, desta vez dividiu a faixa com a cantara inglesa Tayla Malcolm.

"Minus One" é deliciosa e segue pelas batidas de A.N.D.Y. com um vocal potente e animado de Tayla. A combinação não poderia ter sido mais explosiva e faz até os mais exigentes darem uma dançadinha.

A.N.D.Y. é representado pela Sony Music Bélgica e você pode acompanhar as novidades através da sua fanpage.

Continue lendo este post

Fotos: Divulgação

16, Abril, 2014 l Direitos reservados l 2 likes

SG_MEN_728x90
Mocca Acessórios masculinos







Faça parte do nosso grupo de leitores











Revista online de moda masculina We Hate Mag

A parceria do estilista e do fotógrafo cria editorial fantástico

por Gregory Martins

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona já apareceu algumas vezes por aqui, inclusive está na matéria de apostas de 2014 da WeHateMag. Sua última coleção foi desfilada na Casa de Criadores, um dos eventos mais importantes para os novos nomes do design de moda do país, e agora, com material novo, Igor realiza uma parceria com o fotógrafo Rafa Borges na criação do editorial/campanha “Versus”.

No editorial as lindas peças dividem espaço com a coroa de acrílico de Marcio Krakhecke para o desfile do estilista na coleção passada. Os cliques de Rafa Borges retratam ações entre nossos dois modelos ruivos favoritos: Andre Klitzke (Elo Management) e Alexandre Kunz (Mega Models). A beleza, além dos ruivos e das peças, é claro, fica nas mãos de Patricia Mônaco e a produção é de Thainá Rodrigues.

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Igor Dadona Inverno e Rafa Borges

Versus apresenta a coleção de Igor Dadona e sua parceria com Rafa Borges. Um trabalho lindo, bem estruturado e cheio de facetas. Que venham novos frutos dessa parceria.

Gregory Martins

Continue lendo este post

Fotos: Divulgação

16, Abril, 2014 l Direitos reservados l 15 likes

SG_MEN_728x90
Mocca Acessórios masculinos







Faça parte do nosso grupo de leitores











Revista online de moda masculina We Hate Mag

Dois irmãos excêntricos isolados na NY do século XX

por Gregory Martins

Homer e Langley Doctorow

Foto: Gregory Martins

Eu gosto muito de comprar livros – e gasto mais do que deveria -, mas sempre é muito difícil de ler a todos na mesma velocidade com que eu gostaria. Homer & Langley é um desses casos. Comprei o livro em uma dessas gôndolas de desconto da Fnac por mais ou menos 4 reais, não me lembro exatamente, mas foi bem baratinho. Um ano depois comecei a ler e foi um tiro certo até o fim.

Homer & Langley é um romance escrito em 2009 por E. L. Doctorow – o único que li desse autor até agora –, que já foi finalista de 5 edições do National Book Awards e ganhou um por “World’s Fair”.

A história de Homer & Langley é bem curiosa por si só e fica ainda mais interessante quando você joga no Google e vê que os personagens realmente existiram. É claro que a ficção se apropria livremente da história real e trabalha uma dramaticidade que extrapola a cronologia dos fatos, até porque a vida desses dois irmãos excêntricos foi, em grande parte, um mistério.

Homer é quem narra o livro, e sendo o irmão cego traz à narrativa pontos sensoriais bastante interessantes, em especial sobre como se adaptou à cegueira e detalhes de sua convivência com Langley, o irmão que esbarra na figura do “machão americano”, mas consegue escapar. Filhos de pais ricos que logo no início falecem (o que não caracteriza um spoiler), a história toda gira em torno dos dois convivendo na casa herdada tendo como cenário a Nova York do século XX.

Com a morte dos pais e a volta de Langley da guerra, os irmãos começam a se isolar do mundo exterior e a casa, repleta de quartos e salas grandiosas, se torna uma espécie de depósito de entulhos recheada por jornais velhos e um carro trazido por Langley para uma das salas. Mas eles não ficam sozinhos, pois ainda há uns poucos empregados e, no decorrer da história, outros personagens entram na casa como nos bailes clandestinos que promoviam.

Homer e Langley Doctorow

Foto: Gregory Martins

A narrativa de Doctorow é sensível, instigante e te faz perder a noção do tempo de forma ampla, tanto você lê sem querer parar, quanto não percebe que os personagens envelhecem de forma acelerada ao longo do romance. As 236 páginas (da edição que eu li de 2011 da Editora Record) são milimetricamente arranjadas sem faltar ou sobrar espaço para mais história. Tive dificuldades de avançar no início do livro – não sei você, mas sempre acontece comigo -, embora seja bastante dinâmico e visual com Homer narrando os acontecimentos até aquele ponto e descrevendo com afinco toda a casa e sua família, mas depois o livro voa. No fim, com os personagens já bem enlouquecidos em seu universo, há a inserção de Jacqueline que até agora não entendo a relevância para o fato geral se não a total e definitiva afirmação de que sim, eles estão caducos.

É claro que não contarei o final, mas posso adiantar que na história real eles foram encontrados mortos na casa e viraram uma espécie de lenda urbana americana, um tipo de mito tragicômico. O livro avança pelos anos desconsiderando esta parte e, embora o final não seja de se espantar, é bem condizente com o todo. Uma obra que poderia facilmente ser adaptada para o cinema, e ainda guardo comigo essa esperança.

Se você está procurando um livro para ler no fim de semana ou mesmo para deixar ao lado da cama e dar uma espiada antes de dormir, então Homer & Langley é uma ótima opção.

Você encontra o livro no site do Extra e do Ponto Frio - os preços mais baixos pesquisados hoje - e, claro, na Estante Virtual.

Gregory Martins

Continue lendo este post

Fotos: Divulgação

16, Abril, 2014 l Direitos reservados l 3 likes

SG_MEN_728x90
Mocca Acessórios masculinos







Faça parte do nosso grupo de leitores











Revista online de moda masculina We Hate Mag

Ipanema Wall de cara nova e tem festa para comemorar

por Gregory Martins

Ipanema Wall Redley

Liana Brazil e o projeto para a flagship da Redley

A cada seis meses a fachada da flagship da Redley, no Rio de Janeiro, muda de cara. Desta vez, para o lançamento da coleção de outono/invern 2014, a marca convidou o estúdio SuperUber, também do Rio, para decorar o espaço que já faz parte do circuito de arte urbana do bairro de Ipanema.

A Ipanema Wall já contou com artes de nomes como Antonio Bokel, Marcelo Ment, Carla Barth e, mais recentemente, Thiago Toes. A coleção intitulada “Sol, Asfalto e Videotapes” terá pintura feita a partir de projeção mapeada, obra do estúdio carioca SuperUber de Liana Brazil e Russ Rive.

Ipanema Wall Redley

Russ Rive e Liana Brazil, do SuperUber

Para comemorar, a marca promove no próximo dia 17 a já conhecida festa da nova temporada que normalmente lota todo o quarteirão. Além da nova cara da Ipanema Wall, você vai poder conferir de perto a nova coleção da marca e o que eles prepararam para o inverno masculino.

Serviço

Festa Ipanema Wall - SuperUber

17 de abril

A partir das 20hs

Rua Maria Quitéria, 99 – Ipanema

Tel. (21) 2267-1573

Gregory Martins

Continue lendo este post

Fotos: Divulgação

15, Abril, 2014 l Direitos reservados l 1 likes

SG_MEN_728x90
Mocca Acessórios masculinos







Faça parte do nosso grupo de leitores











Revista online de moda masculina We Hate Mag

Um esporte de aventura para conhecer

por Gregory Martins

Geocaching

Quem nunca quis seguir um mapa do tesouro? Pode falar, ninguém tá vendo. Pois é, a busca ao tesouro se tornou mais tecnológica em maio de 2000 quando Dave Ulmer escondeu o primeiro geocache e divulgou a localização na internet. Desde então já são mais de dois milhões de caches espalhados pelo mundo e o negócio virou febre nos Estados Unidos e na Europa.

A ideia é simples: alguém escondeu um cache, você segue as coordenadas pelo GPS, encontra, registra seu nome e coloca o cache de volta no lugar original. Existem vários tipos de caixas e desafios, além de itens dentro delas que você pode trocar levando para casa uma lembrança e deixando outra para o próximo, além de trackables.

Achou meio bobo e sem graça? Bom, em primeiro lugar os geocaches escondidos fora dos centros urbanos são bem difíceis de achar e normalmente estão localizados em lugares espetaculares para você aproveitar a vista, a natureza e os amigos. Mas um alerta… isso vicia!

Geocaching

Foto: Caching.com

Para aprender as regras do geocaching, esporte tecnológico ao ar livre, você pode acessar o site oficial (também com versão em português). Lá você pode pesquisar através da sua localização algum cache próximo e começar a praticar. Reúna os amigos (nunca vá sozinho, ok?), não esqueça a garrafa de água, o filtro solar e as precauções de se fazer uma caminhada ao ar livre como outra qualquer. No resto, divirta-se!

Gregory Martins

Continue lendo este post

Fotos: Divulgação

15, Abril, 2014 l Direitos reservados l 3 likes

SG_MEN_728x90
Mocca Acessórios masculinos







Faça parte do nosso grupo de leitores











Revista online de moda masculina We Hate Mag